FALHAS NA ATENÇÃO BÁSICA DE SAÚDE COMPROMETE SERVIÇOS À POPULAÇÃO

Com falta de investimentos, a população sofre na hora de recorrer aos postos de saúde

Recentemente, o vereador Valdir Matias Jr. (PV), cobrou da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) e do prefeito Nélio Aguiar, o fortalecimento das estratégias das unidades básicas de saúde. O parlamentar falou sobre a descentralização feita pela Prefeitura, que está ofertando serviços de saúde aos moradores com sintomas gripais em escolas. Segundo ele, esses estabelecimentos não são apropriados para esse tipo de atendimento e descumpre, inclusive, o que preconiza o Ministério da Saúde (MS), que indicam as Unidades Básicas de Saúde (UBS) como porta de entrada para pacientes com síndrome gripal e responsáveis pelo monitoramento de isolamento de pacientes com suspeita da Covid-19 ou com sintomas leves da doença. Não seguir esses protocolos acaba colocando em risco a saúde das pessoas.

Segundo ele, se a Prefeitura providenciar equipe especializada, remédios para os postos de saúde e o atendimento aos pacientes com Covid-19, seguindo os protocolos do MS, é possível fazer acompanhamento e o tratamento das pessoas com o novo coronavírus com mais eficácia.

“É preciso fortalecer as estratégias de funcionamento das unidades básica nos bairros para evitar aglomerações. Evitar que as pessoas saiam de casa e se desloquem para fazer num só lugar o exame, a primeira consulta clínica. Então, é importante fortalecer e não enfraquecer as UBS como está sendo feito pela Prefeitura, com a descentralização dos serviços médicos em escolas”, disse o vereador.

Ele citou inclusive uma fala do prefeito Nélio Aguiar que o atendimento nas escolas é muito quente. Tanto para as equipes de trabalho quanto para os pacientes, pois não é um espaço adequado para os atendimentos. Para o líder do PV, é importante que as unidades de saúde nos bairros sejam equipadas e estruturadas para realizar esse serviço às pessoas, em vez de levar atendimentos médicos para locais que não atendem os protocolos exigidos pelo Ministério da Saúde.

Comentários